Famílias Greguoldo e Milan - Família Soares - De Castilla-La Mancha para o Brasil! Venha conosco conhecer esta história...

Ir para o conteúdo

Menu principal

Famílias Greguoldo e Milan

Nossos Antepassados Imigrantes > Famílias Italianas

Imigrantes Italianos

Famílias Greguoldo e Milan

Um dos integrantes da família Greguoldo que residia na cidade de Contarina (atual cidade de Porto Viro), localizada na Província de Rovigo, Região do Veneto, imigrou para o Brasil provavelmente no ano de 1895, partindo do porto de Gênova por volta de ##/##/1895 no navio ####, desembarcando no porto do Rio de Janeiro/RJ em ##/##/1895. Este imigrante era nosso trisavô materno Salvatore Greguoldo (32 anos), juntamente com sua esposa Eleuteria Milan (nossa trisavó materna - 30 anos) e o filho Giuseppe (nosso bisavô materno - 04 anos - nascido em 1891 na cidade de Contarina (atual cidade de Porto Viro)). O casal pode ter imigrado com mais alguns filhos italianos e também tido mais alguns filhos aqui no Brasil, porém ainda não possuímos estas informações.


Giuseppe Greguoldo

Após chegar ao Brasil, nosso trisavô Salvatore e família foram residir e trabalhar em uma fazenda localizada na cidade de Boa Esperança do Sul/SP, região na qual nosso bisavô Giuseppe conheceu nossa bisavó materna pertencente a família Gratton. As primeiras referências encontradas sobre a cidade de Boa Esperança do Sul/SP datam de 1887, com a formação do Patrimônio da Capela de São Sebastião, às margens do ribeirão Boa Esperança, onde já existia uma pequena capela. Era uma região de terra roxa muito fértil (rica em rocha basáltica decomposta, chamada de terra roxa devido a sua coloração), o que possibilitou a introdução da cafeicultura e a formação de grandes fazendas cafeeiras. Com a abolição da escravatura no Brasil em 1888 e a chegada dos imigrantes para trabalharem nas lavouras cafeeiras, a região atingiu seu apogeu. Em 1898 o antigo patrimônio foi elevado a categoria de município, passando a chamar-se somente Boa Esperança (passou a denominar-se Boa Esperança do Sul em 1944). A cidade acelerou seu crescimento em torno de uma estação ferroviária de mesmo nome inaugurada em maio de 1903, originalmente construída pela Cia. E. F. do Dourado e posteriormente adquirida pela Cia. Paulista de Estradas de Ferro. Até o presente momento desconhecemos os locais e datas de falecimento de nossos trisavós Salvatore Greguoldo e Eleuteria Milan, bem como os locais onde estão sepultados.


Em 1914 na cidade de Boa Esperança do Sul/SP, nosso bisavô Giuseppe Greguoldo casou-se com Angelina Gratton (nossa bisavó materna), cidade na qual residiram por alguns anos. O casal teve os filhos Victorio, Natalino, Zulmira (nossa avó materna), Amélia, Leutéria, Cesira, Anna, Filomena, Maria, Antônio e Salvador. Em meados de 1918 nossos bisavós transferiram residência para uma fazenda localizada na cidade de Tabatinga/SP. Na década de 1930 nossos bisavós transferiram residência para a cidade de Echaporã/SP (antiga Bela Vista/SP), cidade na qual residiram e trabalharam em um sítio de propriedade de nosso bisavô Giuseppe, sítio este que localizava-se próximo das fazendas pertencentes as famílias Rabassi e Passarelli. Posteriormente nosso bisavô Giuseppe vendeu seu sítio localizado na cidade de Echaporã/SP, adquiriu terras no Estado do Paraná (para a formação de cafezais) e transferiu residência juntamente com sua família para seu novo sítio localizado na cidade de São Pedro do Ivaí/PR. Vários descendentes deste casal residem nas cidades de Jundiaí/SP, Echaporâ/SP, São Pedro do Ivaí/PR, São João do Ivaí/PR, Fênix/PR e Goiânia/GO. Nosso bisavô Giuseppe faleceu em 1963 na cidade de São Pedro do Ivaí/PR, onde está sepultado.


Aqui no Brasil, o nome de nosso bisavô Giuseppe sofreu distorção, passando por processo de aportuguesamento, sendo alterado para "José Gregorio". Dessa forma, na ocasião do nascimento de seus filhos, nosso bisavô Giuseppe no ato do registro civil dos mesmos, repassou à eles o distorcido sobrenome "Gregorio" ao invés do correto sobrenome Greguoldo.

Nossa avó Zulmira Gregorio nasceu em 1919 na cidade de Tabatinga/SP, foi batizada no mesmo ano na Paróquia Nossa Senhora do Bom Conselho, localizada nesta mesma cidade (tendo como padrinhos Romão Sgarbi e Francisca Greguoldo), casou-se com Armelindo Pedro Soncin (nosso avô materno) em #### provavelmente na Capela São Sebastião da localidade Catequese, antigo povoado localizado na cidade de Echaporã/SP (antiga Bela Vista/SP). O casal teve os filhos Maria, Nadir, Aurora, Bertolo, Dorcília, José (faleceu recém-nascido em 1946 na cidade de Echaporã/SP, onde está sepultado) e Luzia. Na cidade de Echaporã/SP nossos avós residiram em uma fazenda de propriedade de Eugenio Passarelli e em um sítio de propriedade de José Andriani. Em meados de 1950 nossos avós transferiram residência para o Estado do Paraná, onde residiram em uma fazenda de propriedade de José Silvestre, na localidade Água da Arara, localizada na cidade de Primeiro de Maio/PR, sendo que posteriormente residiram em um sítio de propriedade de Domingos De Nardi. A família residiu também nas cidades de Itambé/PR e Formosa do Oeste/PR. Em meados de 1975, nossos avós transferiram residência para a cidade de Jundiaí/SP, acompanhados de sua filha Luzia e esposo. Nossos avós Armelindo Pedro e Zulmira faleceram em 1994 e 2001 respectivamente, ambos na cidade de Jundiaí/SP, onde estão sepultados.


Com relação a informações sobre os irmãos de nossa avó Zulmira, relatamos abaixo o que obtivemos até o presente momento. Gostaríamos que as pessoas que souberem um pouco da história destas famílias e de seus descendentes, entrassem em contato conosco para fornecer-nos maiores detalhes, pois possuímos poucas informações a respeito destes nossos antepassados.


Victorio Gregorio - Nascido em 1915 na cidade de Boa Esperança do Sul/SP, foi batizado no mesmo ano na Paróquia São Sebastião, localizada nesta mesma cidade (tendo como padrinhos Antonio Milan e Filomena Greguoldo), casou-se com Maria Andriani (nascida em ####, filha do casal #### e ####) provavelmente na cidade de Echaporã/SP, cidade na qual residiram alguns anos em um sítio de propriedade de Victorio. O casal teve os filhos Anna, Hilário, João, Clarice, Neninha, Antônia e Aparecida. Posteriormente a família transferiu residência para o Estado do Paraná, onde residiram nas cidades de Bom Sucesso/PR e Curitiba/PR. Vários descendentes deste casal residem na cidade de ####. Victorio faleceu na cidade de Curitiba/PR, onde está sepultado.


Natalino Gregorio - Nascido em 1916 na cidade de Boa Esperança do Sul/SP, foi batizado no mesmo ano na Paróquia São Sebastião, localizada nesta mesma cidade (tendo como padrinhos Guerino Gratton e Ida Gratton), casou-se com Virgínia Santiago (nascida em ####) provavelmente na cidade de Echaporã/SP, cidade na qual residiram alguns anos em um sítio de propriedade de Natalino. O casal teve os filhos Geraldo, Jandira, Genésio, Leonor e Wilson. Posteriormente Natalino vendeu seu sítio localizado na cidade de Echaporã/SP, adquiriu terras no Estado do Paraná (para a formação de cafezais) e transferiu residência juntamente com sua família para seu novo sítio localizado na cidade de São Pedro do Ivaí/PR. Vários descendentes deste casal residem nas cidades de ####. Natal faleceu na cidade de São Pedro do Ivaí/PR, onde está sepultado.


Amélia Gregorio - Nascida em #### na cidade de ####, foi batizada no mesmo ano na Paróquia ####, localizada nesta mesma cidade (tendo como padrinhos #### e ####), casou-se com José Andriani (nascido em ####) provavelmente na cidade de Echaporã/SP, única cidade na qual residiram, primeiramente em um sítio de propriedade de José e posteriormente em uma casa localizada no centro da cidade. O casal teve os filhos Maria, Aparecida, Hilda, Osvaldo, Anézio e Pedro. Vários descendentes deste casal residem nas cidades de São Paulo/SP e Echaporã/SP. José faleceu na cidade de Echaporã/SP, onde está sepultado.


Leutéria Gregorio - Nascida em 1921 na cidade de Tabatinga/SP, foi batizada no mesmo ano na Paróquia Nossa Senhora do Bom Conselho, localizada nesta mesma cidade (tendo como padrinhos José Ribeiro da Silva e Sebastiana Maria de Leme), casou-se com André dos Santos (nascido em ####) provavelmente na cidade de Echaporã/SP, cidade na qual residiram alguns anos. O casal teve os filhos Sidemar, Sidnei, Clotilde e Maria. Posteriormente a família transferiu residência para o Estado do Paraná, onde residiram na cidade de São Pedro do Ivaí/PR em um sítio de propriedade de nosso bisavô Giuseppe. Vários descendentes deste casal residem nas cidades de ####. Leutéria e André faleceram na cidade de São Pedro do Ivaí/PR, onde estão sepultados.


Cesira Gregorio - Nascida em #### na cidade de ####, foi batizada no mesmo ano na Paróquia ####, localizada nesta mesma cidade (tendo como padrinhos #### e ####), casou-se com Narciso Marcucci (nascido em ####) provavelmente na cidade de Echaporã/SP, cidade na qual residiram alguns anos. O casal teve os filhos Valdir, Maria Graci, Angela e Antônio Carlos. Posteriormente a família transferiu residência para o Estado do Paraná, onde residiram na cidade de São Pedro do Ivaí/PR em um sítio de propriedade de nosso bisavô Giuseppe, sendo que também residiram e trabalharam no sítio de seu irmão Natalino. Após o período de residência no Estado do Paraná, a família transferiu residência para a cidade de Jundiaí/SP. Vários descendentes deste casal podem estar residindo nas cidades ####. Narciso faleceu na cidade de Jundiaí/SP, onde está sepultado.


Anna Gregorio - Nascida em #### na cidade de ####, foi batizada no mesmo ano na Paróquia ####, localizada nesta mesma cidade (tendo como padrinhos #### e ####), casou-se com Antônio Artoni (nascido em ####) provavelmente na cidade de Echaporã/SP, cidade na qual residiram alguns anos. O casal teve os filhos Floripes e Antonio Donizete. Posteriormente a família transferiu residência para o Estado do Paraná, onde residiram na cidade de São Pedro do Ivaí/PR em um sítio de propriedade de nosso bisavô Giuseppe. Após o período de residência no Estado do Paraná, a família transferiu residência para o Estado de Goiás, residindo na cidade de Goiânia/GO. Vários descendentes deste casal podem estar residindo na cidade de Goiânia/GO. Antônio faleceu na cidade de Goiânia/GO, onde está sepultado.

Filomena Gregorio - Nascida em #### na cidade de ####, foi batizada no mesmo ano na Paróquia ####, localizada nesta mesma cidade (tendo como padrinhos #### e ####), residiu em Echaporã/SP com sua família, sendo que posteriormente a família transferiu residência para o Estado do Paraná, onde residiram na cidade de São Pedro do Ivaí/PR em um sítio de propriedade de nosso bisavô Giuseppe. Casou-se em 1955 com Mário Artoni (nascido em ####) provavelmente na cidade de São Pedro do Ivaí/PR e não tiveram filhos. Entre seus sobrinhos, Filomena era chamada de "Tia Nena". Segundo informações, Filomena faleceu em 1956 (9 meses após seu casamento) na cidade de São Paulo/SP (cidade na qual estava internada para tratamento médico), onde está sepultada.


Maria Gregorio - Nascida em #### na cidade de ####, foi batizada no mesmo ano na Paróquia ####, localizada nesta mesma cidade (tendo como padrinhos #### e ####, casou-se com Alcides Marcucci (nascido em ####) provavelmente na cidade de Echaporã/SP, cidade na qual residiram alguns anos. O casal teve os filhos José Lino, Fátima e Aparecido Donizete. Posteriormente a família transferiu residência para o Estado do Paraná, onde residiram na cidade de São Pedro do Ivaí/PR em um sítio de propriedade de nosso bisavô Giuseppe. Algum tempo depois a família transferiu residência para a cidade de Mandaguari/PR. Vários descendentes deste casal podem estar residindo nas cidades ####. Alcides faleceu na cidade de Mandaguari/PR, onde está sepultado.


Antônio Gregorio - Nascido em #### na cidade de ####, foi batizado no mesmo ano na Paróquia ####, localizada nesta mesma cidade (tendo como padrinhos #### e ####), residiu em Echaporã/SP com sua família, sendo que posteriormente a família transferiu residência para o Estado do Paraná, onde residiram na cidade de São Pedro do Ivaí/PR em um sítio de propriedade de nosso bisavô Giuseppe. Casou-se com Luisa Carniato (nascida em ####) provavelmente na cidade de São Pedro do Ivaí/SP e tiveram os filhos Sônia, Carlos e Rosilei. Posteriormente a família transferiu residência para a cidade de Fênix/PR, cidade na qual Antônio foi proprietário de um bar. Vários descendentes deste casal residem na cidade de ####. Antônio faleceu na cidade de São Pedro do Ivaí/PR, onde está sepultado.


Salvador Gregorio - Nascido em #### na cidade de ####, foi batizado no mesmo ano na Paróquia ####, localizada nesta mesma cidade (tendo como padrinhos #### e ####), residiu em Echaporã/SP com sua família, sendo que posteriormente a família transferiu residência para o Estado do Paraná, onde residiram na cidade de São Pedro do Ivaí/PR em um sítio de propriedade de nosso bisavô Giuseppe. Casou-se com Aparecida (nascida em ####) provavelmente na cidade de São Pedro do Ivaí/SP e tiveram os filhos Lourdes, Atônio e Sueli. Na cidade de São Pedro do Ivaí/PR, Salvador foi proprietário de um bar e também de uma fábrica de farinha. Vários descendentes deste casal residem na cidade de ####. Salvador faleceu na cidade de São Pedro do Ivaí/PR, onde está sepultado.


Em maio/2017 descobrimos novas informações referentes à família de nosso bisavô Giuseppe, inclusive detalhes sobre a grafia correta de seu nome como já informado acima. Os descendentes de Giuseppe adotam a grafia de seu nome como José Gregorio, porém em seu registro italiano de nascimento, a grafia correta consta como Giuseppe Greguoldo. Com relação aos seus pais Salvatore Greguoldo e Eleuteria Milan, descobrimos que nosso trisavô Salvatore Greguoldo nasceu em 1863 na cidade de Contarina (atual cidade de Porto Viro) e era filho do casal Giuseppe Greguoldo e Francesca Veronese. Nossa trisavó Eleuteria Milan nasceu em 1865 na cidade de Donada (atual cidade de Porto Viro) e era filha do casal Francesco Milan e Domenica Tessarin. Salvatore Greguoldo e Eleuteria Milan casaram-se em 1889 na cidade de Contarina (atual cidade de Porto Viro).


Com relação aos irmãos de nosso bisavô Giuseppe, estamos pesquisando se nossos trisavós Salvatore e Eleuteria imigraram com mais alguns filhos italianos e também se tiveram mais alguns filhos aqui no Brasil, porém ainda não possuímos estas informações. Evoluímos com nossas pesquisas após análise em documentos italianos e brasileiros onde encontramos algumas evidências que indicam que nosso bisavô Giuseppe possuía irmãos. No atto di matrimonio de nossos trisavós Salvatore e Eleuteria, há citação de que o casal adotou uma menina registrada como o nome de Maria Giuseppina Greguoldo. No registro de batismo de Victorio Gregorio (filho de nossos bisavós Giuseppe e Angelina) há citação de que sua madrinha foi Filomena Greguoldo. No registro de batismo de Zulmira Gregorio (nossa avó materna) há citação de que sua madrinha foi Francisca Greguoldo. Segundo informações obtidas junto a nossos familiares, nosso bisavô Giuseppe possuía também um irmão chamado Angelo Greguoldo.




Tabatinga: vista aérea da cidade na década de 1930 (IGC)



Notas:

Até o presente momento não encontramos no banco de dados da antiga Hospedaria de Imigrantes da Ilha das Flores (disponível no Arquivo Nacional localizado na cidade do Rio de Janeiro/RJ) os registros de entrada no Brasil de nosso trisavô Salvatore e família. Consideramos as informações do desembarque descritas acima como ocorridas em 1895, em função da informação presente na Certidão do Registro de Estrangeiros de nosso bisavô Giuseppe, onde consta que o referido desembarque ocorreu em 1895 no porto do Rio de Janeiro/RJ. Segundo informações, todos os integrantes da família Greguoldo (ramo ao qual pertencemos) teriam imigrado juntamente com nosso trisavô Salvatore.

Alguns documentos brasileiros que possuímos, trazem a grafia do sobrenome de nosso bisavô Giuseppe Greguoldo totalmente distorcida, escrito como "Gregorio", "Gregoldo" e "Gregnoldo".

Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal